Expansão gratuita do game Wolfenstein está na web

A expansão para um dos games de tiroteio em primeira pessoa mais vendidos no último ano, o Retorno ao Castelo Wolfenstein, já está disponível para download gratuito na internet.

Quatro empresas trabalharam conjuntamente no desenvolvimento de Enemy Territory. Mas o jogo, embora tenha recebido a atenção de mais empresas que o normal, não traz grandes atrativos.

Enquanto a maioria dos games normalmente envolvem uma ou duas companhias, esse pacote será publicado pela Activision (mesma empresa que publicou o Retorno ao Castelo Wolfenstein), a id Software será a produtora executiva, a Mad Doc Software cuidou do modo single-player do jogo e a Splash Damage desenvolveu os componentes multiplayer para o game.

site da Activision.

Lula quer Forças Armadas na luta contra o desemprego

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está negociando o envolvimento das Forças Armadas no combate ao desemprego para que os alistados possam, depois de concluído o serviço militar, entrar no mercado de trabalho.

O Ministro Jacques Wagner (Trabalho) propôs ao Ministério da Defesa que Exército, Marinha e Aeronáutica preparem, em parceria com entidades de formação de mão-de-obra, cursos profissionalizantes.

O envolvimento das Forças Armadas insere-se no programa Primeiro Emprego, a ser anunciado no próximo mês, prevendo facilidades para as empresas contratarem jovens sem experiência profissional. Será oferecido à empresa dinheiro ou abatimento de impostos.

Jacques Wagner informa que, apesar de ainda não se saber o montante dos recursos a serem utilizados no programa, seriam criados 200 mil empregos para jovens.

Bush diz que determinação de criar Estado palestino o leva ao Oriente Médio

 O presidente George W. Bush disse que sua visita ao Oriente Médio na próxima semana se deve, entre outras razões, à sua intenção de mostrar ao mundo que está determinado a criar um Estado palestino que conviva em paz e segurança com Israel, como forma de alcançar a paz na região. Bush terá duas cúpulas no Oriente Médio, uma com os premiers de Israel, Ariel Sharon, e palestino, Mahmoud Abbas, e outra com líderes de Arábia Saudita, Jordânia e Egito.

Os encontros terão lugar depois de Bush visitar a Polônia e a Rússia e parar na França, para uma aparição rápida no encontro do G-8 (o grupo de países mais ricos do mundo e a Rússia). A viagem do presidente marca o aprofundamento de seu compromisso com a paz entre israelenses e palestinos.

– Quero que eles olhem em meus olhos e possam ver que estou determinado a fazer isto (a paz) acontecer – afirmou Bush.

Os comentários do presidente foram feitos em meio a uma série de entrevistas feitas na quinta-feira e divulgadas na sexta, enquanto o presidente voava para a Polônia.

Abbas e Sharon se reuniram na quinta-feira em Jerusalém para tentar avançar no chamado mapa da paz, o plano internacional alinhavado e apoiado por EUA, Rússia, União Européia e ONU. Os dois líderes enfrentam uma forte pressão para alcançar resultados palpáveis antes da chegada de Bush à Jordânia, onde será realizado o encontro no dia 4 de junho.

Não foram anunciados grandes avanços, mas ambos os lados disseram que algum progresso foi alcançado. Funcionários do governo de Israel disseram que o encontro teve uma “boa atmosfera”, enquanto os palestinos o chamaram de “sério, tranqüilo e benéfico”. Sharon disse que libertaria mais de cem palestinos presos em Israel não envolvidos com atividades terroristas. No entanto, o Ministério da Defesa israelense afirmou nesta sexta-feira que a medida seria adiada e estudada no fim de semana. ( leia aqui para saber mais sobre o retrocesso)

75% das empresas nos EUA sofreram ataques hackers no último ano

Um estudo realizado nos Estados Unidos revelou que 75% das organização daquele país sofreram ataques hackers no último ano, somando prejuízo estimado em US$ 455,8 milhões no período.
Segundo o CSI (Computer Security Institute), apenas 47% das 530 empresas entrevistadas souberam quantificar suas perdas.
Além disso, a pesquisa revelou que a maioria das companhias –78% delas– atribuíram as invasões a problemas na conexão com a internet, e não a falhas em seus sistemas internos, citadas por 36% das corporações ouvidas.
As 251 empresas que souberam quantificar seus prejuízos revelaram perdas de mais de US$ 200 milhões, segundo o CSI.
Chris Keating, diretor do CSI, disse que os números revelados pela pesquisa, feita em parceria com o FBI, são preocupantes. “Os cibercrimes e outras falhas de segurança em sistemas de informação estão se espalhando e ficando cada vez mais diversificados”, contou Keating.
De acordo com o CSI, os ataques DoS (Denial of Service), custaram US$ 65,6 milhões às organizações –250% mais do que os US$ 18,4 milhões registrados pelo mesmo estudo um ano atrás.